terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Em reforma - III

kdk_0945 kdk_0972 kdk_0971

Natal

Fomos passar o Natal láááá no interior, a 500 km de São Paulo. A viagem foi rapidinha, já nos valendo do meu presente antecipado de Natal: um GPS. Bem legal para avisar sobre os radares na estrada. No entanto, ainda não está muito claro que este GPS é meu de fato, pois marido já começou a argumentar que dirige muito mais que eu, blá, blá, blá. Eu me fingi de surda e ando com dito cujo na minha bolsa, para evitar sumiços. Chegamos lá à tarde, na véspera, mas ainda em tempo. Calorzão básico. Como sempre, foi muito divertido. Como fazia muito tempo que não íamos, havia muita fofoca para colocar em dia. Quase não dá tempo ! Separações, gestações, revelações, aniversários, novos universitários… Mil e uma novidades. Não posso passar tanto tempo sem ir, porque é muita coisa para absorver. Sem contar que o blog bombou de acessos ! Marido resolveu dizer que eu havia escrito um post falando mal do pessoal de lá. Pronto ! A propaganda é a alma do negócio. Depois vieram reclamar que leram tudo e não acharam nada sobre eles!

As crianças, como sempre, nem lembraram que tinham pai e mãe presentes. Impressionante como se dão bem com todos os primos e primas, das mais variadas faixas etárias, mesmo tendo pouco contato no dia a dia.
Piscina_Araçatuba1Praticamente passaram os dias de biquini, submersas na piscina. Já anunciei que, em janeiro, voltamos lá para mais uma semaninha. Não sei se os parentes ficaram muito contentes… Juro que ouvi alguém dizer: ‘Que ruim, hein !’
Piscina_Araçatuba3

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Em reforma – II

Os planos da reforma eram o seguinte: derrubar as paredes, puxar a fiação que estavam nas paredes derrubadas para os novos locais, retirar o piso antigo, colocar o piso novo (idêntico ao já existente na sala), colocar novos rodapés, pintar tudo e, voilá, esperar 2010 com casa nova. Previsão otimista: 3 dias. Previsão pessimista: 1 semana. Previsão atual: 1 mês tendendo a infinito (?!).



Aquela ideia de piso novo ser igual ao piso existente não funcionou. Levamos uma amostra do piso desejado até a loja e compramos as 11 caixas necessárias. Ao colocar uma peça ao lado da outra, percebemos que a cor é semelhante, mas não igual. Funcionaria se eu quisesse que a minha sala tivesse um piso degradê. Como não é o caso, solução adotada: recolocar o piso todo com a nova tonalidade. Não é brincadeira! Vamos tirar TODO o piso ora existente e colocar o novo piso, ligeiramente mais claro. Mas, estou calma. Só não decidi, ainda, onde vou servir o peru de Natal. Se numa linda bandeja degradê sobre os sacos pretos ou em uma linda bandeja vermelha (para dar um contraste) sobre o contrapiso …

kdk_0939   kdk_0940

kdk_0943

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Em reforma

  Meu canteiro de obras Minha sala, hoje de manhã.


Obra_1 Obra_5 Obra_3

Obra_4 Obra_6

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Em Dallas

Minha irmã viajou na segunda-feira. Temos nos falado todos os dias via Skype e, até mesmo, via rádio. E viva a tecnologia !


Ela me disse que está estudando muito e que o pessoal é super rigoroso. Nao teve tempo nem de sair para dar umas voltinhas pela cidade. Coitada ! Eu pedi para ela ter calma, que é só até amanhã, quando ela fará a prova para obter o certificado. Depois, New York. Daí, ela vai poder descansar, ir aos outlets, shoppings, etc. Por enquanto, foco nos estudos !



 Tati_Shop1 


Tati_Shop2

 


Tati_Neve

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Mais um !

Já era Florestal. Agora, Civil. Nota 9,0 no TCC. No ITA ! Parabéns, irmão !

 


Estou bem servida de irmãos. Todos inteligentes e esforçados. Bom, tiveram a quem puxar, né ? Euzinha, modéstia mode off.

domingo, 29 de novembro de 2009

Meninas no Teen Play Festival 2009


Mais detalhes, aqui.

Orgulho Duplo

 

Hoje teve a apresentação da peça das meninas, que estudam na Cultura e fazem parte de um dos grupos teatrais.





Ao final de cada peça, são eleitos o melhor ator, a melhor atriz e aquele que teve a maior melhora do idioma durante os ensaios.


A primeira vez

Não sou muito prendada na cozinha. Faço uma coisa aqui, outro acolá,

m

as sem muitas pretensões. Mas eis que, ultimamente, tenho e

stado com vontade de fazer cupcakes. Sabe aqueles bolinhos tipo muffins, que já vêm na forminha, com uma cobertura ?

Cheguei a comentar com a minha cunhada, esposa do meu irmão, que é super prendada nestas artes culinárias. Ela me disse que nunca havia feito e não me pareceu muito entusiasmada com a minha ideia, tipo ‘Que legal, Kátia. Vou fazer e depois te digo se até você seria capaz é fácil …’. Desanimei um pouquinho, mas neste final de semana, resolvi colocar a mão na massa. A receita é, relativamente simples e, seria muuuito mais fácil ainda, se a minha batedeira estivesse completa … A única coisa mais chata é a parte de ‘bater, por 10 minutos, em velocidade máxima, a manteiga, a margarina e o açucar, até ficar um creme bem fofo’. Bom, eu não ia ficar segurando a batedeira por todo esse tempo, então resolvi colocar naquele suporte próprio e deixei batendo sozinha. Quando voltei, um pouco da massa encontrava-se espalhada pela cozinha. OK. Fazia sentido, já que a vasilha que eu estava usando, provavelmente, era muito pequena para essa função. Não me abati. Resolvi prosseguir segurando a batedeira na mão. A receita original era para 24 bolinhos, mas como era a minha primeira vez, resolvi fazer somente a metade da mesma. Muito esperta que sou, antes de tomar essa decisão, verifiquei se não havia números impares de ovos, né ? No entanto, tive que dividir uma caixinha de creme de leite ao meio, tarefa não muito fácil, porque aquela embalagem é meio dura de partir com a faca, sabe ? Brincadeirinha… Foi difícil de qualquer maneira, porque coloquei em um copo e meio que chutei qual seria a metade. E mais difícil ainda foi alternar a colocação da farinha com o creme de leite, segurando a batedeira e com o dedo marcado a metade do copo. Equilíbrios a parte, tudo ia dando certo até eu lembrar que  na receita era pedida farinha com fermento. Eu notei isso e havia pedido para o marido comprar no mercado. Ele comprou. Um pacote de farinha de trigo SEM fermento E uma latinha de fermento. Pedi um produto e recebi dois. Quando eu reclamei, ele mandou eu misturar os dois que devia dar certo ! Sofro, viu ? Daí tive que ir atrás de uma receita na internet, onde os ingredientes fossem farinha e fermento separados, na mesma proporção da minha receita…

Finalmente, coloquei meus doze cupcakes lindinhos no forno:

 


Cup_Antes  E, depois, já na boca do povo:


cupcakes_katia Quer um ?

sábado, 28 de novembro de 2009

Elogios

Sexta-feira de manhã, fui em uma empresa na qual presto serviços. Assim que cheguei, a moça com a qual eu ia falar, elogiou meu perfume e perguntou o nome. Meio sem graça, respondi e agradeci, mas já imaginei que havia exagerado na quantidade. Neste mesmo dia, deixando as meninas na escola, passou uma moça do meu lado, que eu não conhecia, também indo deixar a filha, e elogiou o meu vestido. Surpresa com o inusitado da situação, disse obrigada e entrei rapidinho no carro, novamente sem graça e lembrando que o vestido era tão antigo... E fui embora pensando que eu não seria capaz disso. Ver

, admirar e elogiar algo em/de um desconhecido e externar essa sensação. Vergonha, timidez, medo da reação alheia, mil razões. E divagando em meio ao caos do trânsito de São Paulo, lembrei de um texto que li, recentemente, no blog Fio da Meada. Gosto muito do estilo da autora, Silmara Franco. Fala sobre o porquê de não ficarmos a vontade com elogios. Faço parte deste grupo. Como se não me fosse permitido. No entanto, se elogiarem as minhas filhas, vou concordar e falar sobre outras situações delas, também merecedoras de admiração. Meio louco, né ? Então, estou me propondo a fazer este exercício de elogiar e receber elogios, de maneira confortável. Próxima vez que me encontrarem, por favor, me elogiem, caso seja possível, obviamente. Porque já é difícil lidar com os elogios sinceros, que dirá com elogios falsos …

Instintos

Eu acredito que me esforço para ser uma mãe participativa, legal e coisa e tals. Mas, às vezes, isso tem um preço alto a se pagar.

 



As meninas têm aulas de culinária na escola. E elas adoram. Toda semana querem fazer uma receitinha, sempre no microondas, já testada e aprovada na escola. De quando em vez, compro os ingredientes e nós fazemos. Quase sempre dá certo.

Na semana passada, o sobrinho delas, de 6 anos, veio aqui em casa. E os três resolveram fazer uma receita do livrinho delas. Sozinhos. Eu já fui dizendo não, antevendo a sujeira que ia sobrar para a minha pessoa. Eles insistiram e eu aquiesci. Mas, eles descobriram que não tinham todos os ingredientes necessários e queriam que eu fosse comprá-los no mercado. Daí, eu disse não. Too much. E achei que todos os meus problemas haviam instantaneamente acabado. But, eis que marido chega em casa. E as crianças pediram para ir ao mercado com ele, que, de pronto, aceitou. Oh, oh. Voltaram felizes e saltitantes e se trancaram na cozinha. O sobrinho, como chef-convidado especial, só era solicitado em alguns momentos. O resto do tempo, ficou assistindo TV. De quando em vez, chamavam o marido para dar alguma opinião. Tudo transcorria, misteriosamente, em paz, quando, ouvi um grito apavorante vindo da cozinha:’ Ah !!! Mãe!!! Acho que quebramos o microondas !!!!’. Corremos todos para a cena do crime e, só para resumir, conseguiram quebrar o prato de vidro giratório do microondas em vários pedaços, além de destruirem a tigela da minha batedeira. Explico: resolveram fazer a receita ‘Bola de Pipoca’ ou algo semelhante. Que inclui uma calda de caramelo, igual a de pudim. Que atinge altíssima temperatura. E, então, a tigela de plástico da batedeira, não aguentou. Vindo o plástico desta tigela, a derreter. Com isso,  a calda de caramelo em altíiiissima temperatura, quebrou o vidro do microondas. Resultando em um microondas sem vidro e uma batedeira sem tigela. E uma mãe arrependida de não ter seguido seus instintos primeiros. E uma esposa contida no seu instinto de querer trucidar o marido. Culpado, obviamente, de toda a situação.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Incompleto…

 

Todos os anos, eu e minhas amigas, produzimos uma Pré-Ceia de Natal, onde nos reunimos para celebrar a nossa amizade e o Natal. Estendemos esse convite a nossa família, também. E, como eu tenho, por hobby, criar convitinhos, desta vez, resolvi criar um para a ocasião. Peguei uma imagem de árvore de natal na net, incorporei as fotos das crianças nas bolinhas da árvore e escrevi um texto. Tudo simples, mas bonitinho. Submeti uma prova para as minhas amiguinhas, que, muito gentis, não quiseram alterar nada, dizendo que adoraram. Então, enviei um email aos nossos convidados, com o convite anexado. E ao encontrar com um amigo, marido de uma das anfitriãs da Pré-Ceia em uma festa, ele elogiou o convite. Fiquei feliz. Afinal, ‘homens, em geral, não ligam para essas frescurinhas’. No dia seguinte, recebi um email de um outro amigo, marido da outra anfitriã da Pré-Ceia, dizendo que tinha achado o convite maravilhoso. Fiquei mais feliz ainda, só que não tão certa de que ‘homens, em geral, não ligam para essas frescurinhas’.


De:

Enviada em: segunda-feira, 23 de novembro de 2009 21:47
Para: Amigos
Assunto: Re: Pré-Ceia 2009 - 06/12


Esta festa está muito chic, até com convite, que, inclusive, está maravilhoso.


E lembrei do meu marido. Ele não me disse n-a-d-a. Nem elogios, nem críticas. Resolvi colocar panos quentes, já meio confusa com essa história de

‘homens, em geral, não ligam para essas frescurinhas’

e pensar que, como sempre, ele não prestou atenção ao email e não percebeu que havia um anexo, no caso, o meu convitinho. Nem fiquei brava, digamos que um pouco chateada.


De:
Kátia
Enviada em: segunda-feira, 23 de novembro de 2009 21:45
Para: Amigos

Assunto: RES: Pré-Ceia 2009 - 06/12


Que bom que você gostou ! Encontrei com o nosso amigo na sexta e ele me disse que achou o convite bem legal. Só meu marido, com quem me encontro todos os dias, não me disse nada... Acho que ele nem percebeu o anexo !


Ele podia estar no bar, jogando, se esbaldando, mas estava trabalhando, coitado, tentando arranjar dinheiro para as minhas viagens a NY, apostas em bingo, comprinhas no shopping, etc. Como poderia notar um anexo, de nome Convite_Pre_Ceia ? Exigir demais, né ? Daí, o marido respondeu:

De:
Enviada em: terça-feira, 24 de novembro de 2009 19:05
Para: Amigos
Assunto: RES: Pré-Ceia 2009 - 06/12

Desculpem, não mesmo.



Olha, juro que eu quase olhei nas costas do monitor para ver se o resto da mensagem, porventura, não estaria lá. Porque essa não poderia ser a mensagem completa! Onde estava “mas nem preciso olhar o convite para saber que tudo que minha esposinha faz é lindo” ou “mesmo que vocês não tivessem gostado, eu, mesmo sem ver, adoraria” ? OK. Aceitaria até uma versão minimalista: “Assim que der, vou abrir o anexo. Mas, já adianto, que vou amar”.



monitorAgora me ocorreu que, pode ser que tenha havido um blackout (tão comum ultimamente…) e a mensagem tenha chegado incompleta. É… Faz sentido… Vou enviar um email para ele avisando sobre isso. Porque, vocês sabem, ele não vai perceber que ficaram faltando as últimas dez linhas do email dele, né ? Quando ele reenviar o email completo, eu coloco aqui, tá ?

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Da morte

Poucos dias depois que o meu pai morreu, fui buscar a certidão de óbito no cartório. Não sei bem o porquê de eu ter sido incumbida desta tarefa, provavelmente por causa da minha flexibilidade de horário. Eu fui, mas não queria. Dirigi tensa até o destino. Chegando lá, lembro que entreguei o papelzinho para a moça e ela pediu para eu aguardar. Foi o que fiz. Chorando. Só as lágrimas escorriam, eu não emitia nenhum som. A não ser que olhassem para o meu rosto diretamente, ninguém perceberia minha tristeza. E foi o que a moça fez, quando me entregou a certidão. Ela me olhou e meio que ficou embaraçada, acho, com as minhas lágrimas. Não me disse nada. Talvez seja cena comum na sua labuta diária. Mas, também, mesmo que tivesse tentado me confortar, creio que não teria conseguido. Porque, naquele momento, era oficial a minha orfandade paterna. E não sei o porquê disto ter me deixado tão mal. Era como se, enquanto aquele papel não se materializasse, tudo pudesse, em algum momento, ser revertido. Então, com a certidão em mãos, eu sabia que, tudo era definitivo.

 



Isso veio a minha lembrança hoje, porque já se fazem necessários os procedimentos para a exumação. E eu, fraca que sou, não queria ter nenhuma ciência disso, saber de nada. Meu irmão, solidário, se prontificou a assumir essa tarefa, juntamente com a minha tia. No entanto, alguns documentos meus são necessários, então, já estou ciente do que não gostaria de estar. E eu mesma me pergunto quem sou eu para querer escolher com qual tarefa dos assuntos vida/morte quero lidar ? Quem me deu esse salvo-conduto ? Ou porquê eu teria algum tipo de passe especial ? Não tenho. Não fossem meu irmão e minha tia, teria eu mesma que fazer isso. Então, aos dois, meus sinceros agradecimentos.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Indo… (ou não…)

 

 

 

 

 

Então, como vocês já sabem, minha irmã hiper-super-inteligente-resolve-qq-problema-da-empresa, foi escolhida pelo chefe para fazer um curso lá em Dallas, em Dezembro. Demos uma pesquisada básica no mapa dos EUA e descobrimos que Dallas, digamos, não é tão atrativa assim para quem não é fazendeiro. Daí que ela decidiu que, depois do curso (e, caso ela consiga o certificado, já que tem uma provinha no final…) vai dar um rolê por NY, porque, além de todas as qualidades supra-citadas, minha irmã é chique, né ? E fofa, porque me convidou para ir junto. Fiquei tão feliz !


dallas_nyAté descobrir que o convite não incluía a passagem… Comentei com o marido, que achou super legal a ideia, mas julgou que veio no momento errado e começou a contar sobre todas as nossas dívidas passivas, ativas, futuras, a bolsa de valores, o dólar, o governo, etc. Não me dei por vencida e lembrei que meu irmão, em um passado remoto e, possivelmente, não muito sóbrio da vida dele, me disse que eu era uma irmã muuuuito legal e, que, caso eu precisasse e quando eu precisasse de qualquer coisa, podia contar com ele. Pensei comigo que ir para NY era uma coisa muito necessária e perguntei se ele não podia me dar a passagem de presente. Ele disse que sim, lógico, iria providenciar. Mas, eu, ingenuamente, fui conversar com ele justamente no dia da balada e, provavelmente, o teor alcoólico já deveria estar alto, porque ele nunca mais tocou no assunto. Mas, eis que, dia desses, conversando com a minha irmã no Skype, veio a luz, tipo “como eu não havia pensado nisso antes?!”:

 


skype_tatiO único detalhe é que a minha irmã não achou a ideia tão genial assim… Concluindo: a não ser que eu ganhe na mega-sena até lá, só me resta desejar boa viagem. See you.

sábado, 7 de novembro de 2009

Meninas no teatro

Hoje de manhã, houve uma exposição com o resultado das pesquisas sobre a África, realizadas pelos alunos do colégio onde as meninas estudam. Elas se apresentaram no teatro e no coral.

video

Avisinho

Não acredite em boatos.

Continue a me enviar emails.
Continue a conversar comigo.
Continue a comentar no meu blog.


Nem tudo que eu leio e/ou ouço vira post.


Pode acreditar.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Hipóteses

NoSkype
Diálogo super movimentado entre eu e meu sobrinho, hoje de manhã no Skype.
Algumas hipóteses:
1. "Xi, lá vem aquela tia velha e chata. Justo no melhor momento do jogo. Vou dispensar rapidinho…", ele pensou, revoltado
2."Justo agora ! No melhor do jogo. Eu mereço…" , ele pensou, conformado
3. "Que legal! A tia Kátia! Adoro conversar com ela.", ele pensou, animado



Para começar o dia bem, eu escolhi a hipótese 3, considerando que as crianças, hoje em dia, estão cada vez mais lacônicas (e, supondo, obviamente, que todos os meus sobrinhos me acham uma tia suuuuper legal). Viajei muito?

Qual hipótese você escolheria ?

sábado, 31 de outubro de 2009

No bar!

Sabe onde está meu marido neste exato instante ? No bar. É isso mesmo. No B-A-R. Bebendo, fumando, se esbaldando. Quando, GSus, eu, mulher, casada, mãe de família, trabalhadora, poderia me imaginar em uma situação dessas ? Marido no bar… Too much. Culpa do futebol (já falei que eu odeio futebol?). Então, marido não quer pagar pay-per-view na TV para assistir ao futebol que, sei lá porque cargas d’água, não passa na tv a cabo/normal. Daí onde ele vai ? Pagar a cerveja no bar e ver o futebol (nota mental: comparar preço pay-per-view X cerveja)… Só o que me faltava. Acho que vou ali colocar uns bobs no cabelo e esperá-lo na porta com o pau do macarrão…

Hoje de manhã...

video

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Dia das Bruxas

Assim como já aconteceu no ano passado, hoje é a comemoração do Halloween lá na escola das meninas, que foram fantasiadas. Elas adoram!


 


À noite, elas e mais um grupo de crianças do prédio, passam, de apartamento em apartamento, pedindo doces. Têm mais é que aproveitar enquanto podem!
Bruxas3K Bruxas1K

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Alessandrices

De: Alessandro
Enviada em: sexta-feira, 23 de outubro de 2009 14:47
Para: Tatiana; Tania

 

 


Cc: Kátia
Assunto: Dedos

Acho que quebrei o dedo indicador da mão direita...
Fechei a porta do carro no dedo...Hoje ao meio dia...Furaram minha unha para drenar...
Vou tirar um raio x...Estou escrevendo com a esquerda...
beijos

Quando li esse email, enviado pelo meu irmão, veio, imediatamente, a minha mente, o comentário, deixado por ele mesmo, neste post

Sábado, 11 Julho, 2009

Então...Não vou mentir..Fiquei imaginando a cena e dei uma risadinhas (poucas, tá!!)...Imagino que doeu e etc e tal, mas que mané!! O que você estava fazendo com os dedos lá...Essa não foi Juquice, foi Katice...Pegou por osmose..Se bem, que se vocês estavam entrando, prá que fechar os vidros?! Eu sei, pimenta nos olhos dos outros é refresco...Se cuida..beijos

 

Em tempo, o dedo não teve nenhuma fratura.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Niver da Mammy´s

video

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Demorou!

De: tia solange [mailto:noreply-comment@blogger.com]
Enviada em: terça-feira, 20 de outubro de 2009 17:00
Para: Kátia
Assunto: [Ideias Várias] Novo comentário em Pilão.

 


 

 


tia solange deixou um novo comentário sobre a sua postagem "
Pilão":
linda, comento depois, mas já estou enviando o telefone do analista

Pilão

Outro dia entrei no elevador do meu prédio. Uma vizinha comentou: ’Nossa, que cinturinha, hein?’. Daí fiquei pensando qual seria a utilidade de se ter uma cinturinha ? Pensei mais um pouquinho e cheguei à conclusão já sabida: nenhuma. Utilidade zero. Porque, vejam bem, se você tem uma cintura compatível com o manequim 36, mas o quadril compatível ao 42, não precisa ser nenhum gênio para se concluir que temos aqui um problemão. E que nunca, nunquinha, você entrará em um calça jeans, por exemplo, sem que tenha que fazer algum ajuste. De tal modo que, na próxima encarnação, dispenso a cinturinha( e aceito mais altura, quadrilzinho, cabelo liso, etc.).

 


cinturinha2

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Meninas no Rio

video

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Chapéus

video


Semana das Crianças na escola. Hoje, é o Dia do Chapéu. FestadoChapeu3 FestadoChapeu2

domingo, 11 de outubro de 2009

Rio

Rio20162009. Fomos para o Rio de Janeiro neste feriado. De fato, como diria o Gil, “o Rio de Janeiro continua lindo…”. Aproveitamos bastante. Fomos ao Corcovado, ao Pão de Açucar, à Copacabana, ao Jardim Botânico e à Barra da Tijuca. Tentamos pegar o bondinho de Santa Teresa, mas não deu. Os dias estavam ensolarados, mas sem aquele calor insuportável. Valeu a pena essa viagem express.

RiodeJaneiro

(Para ampliar, clique na imagem)

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Mais um ano

Hoje faz quatro anos. E ela, novamente, lembrou.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Dedo verde

Eu não tenho dedo verde. Definitivamente. Eu já até tentei cuidar de plantas, mas, sei lá, não rola uma química. Certa vez, meu irmão e minha cunhada me deram uma planta enooorme, que ficou por uns tempos na minha sala. Neste período, ela deu uma diminuída, perdeu algumas folhas e, talvez, uns galhos. Fui acusada, pelo meu próprio irmão, de inimiga ambiental. Mas, é injusto. Completamente infundado. Creio que a planta não tenha se adaptado ao novo ambiente. Tanto é que a planta sobrevive, até hoje, na minha varanda. Não posso fugir à verdade: a planta nunca voltou ao seu tamanho original.

Acontece.

Por isso, a minha felicidade ao descobrir que, as orquídeas que ganhei dos meus amigos, há um ano atrás, floresceram novamente. Apesar de mim (ou por minha causa, quem sabe?). Achei o máximo. É bem verdade que não fiz nada para que isso acontecesse (nem sou eu quem as rego). Mas, ainda assim, não me foi indiferente. Achei o máximo!



Orq21

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Sra. Dieta

Querida Dieta, hoje te sabotei. De novo. Eu sei que ontem também dei uma escorregada. Mas, olha, foi com boa intenção, viu ? As meninas estavam com vontade de comer um docinho. E havia uma lata de leite condensado na despensa. Você sabe que a soma criança + leite condensado + vontade de comer doce + pessoa de dieta = brigadeiro. E as meninas ficaram tão felizes ! Tenho certeza que, após tantos anos de convivência, você já sabia que isso ia acontecer. Mas hoje, a história foi outra. Sabe quando a banana está bem madura e exala aquele aroma inconfundível de banana bem madura ? Pois então. Foi a situação ocorrida na minha cozinha. Daí eu pensei comigo mesma: “Essas bananas vão estragar ! Preciso achar uma receita para que isso não aconteça!" Juro que foi nisso que pensei, Dieta, nas bananas, na fome mundial, no desperdício. Juro. Procurei pela internet e encontrei uma que parecia ideal. Tá, concordo que eu podia ter encontrado uma receita menos calórica . OK. O suspiro foi um exagero. Mas, Dieta, pela foto, a receita parecia tão apetitosa…
bananaE, como ultimamente, força de vontade não tem sido exatamente a minha palavra de ordem, deu no que deu. Uma delícia !

P.S1. Eu não vou reclamar sobre aquela calça que insiste em não fechar. Já nem estou gostando muito dela. Acho que vou doar...

sábado, 3 de outubro de 2009

Hoje à tarde

Fizemos visitinha surpresa a minha vó. Com direito a lanchinho e fofocas familiares super atuais. Apesar das tentativas de sabotagem, começando pela minha tia me informando o número errado do endereço (era 640 e ela me disse 533 !!) e terminando com o fato de quase não conseguirmos abrir o portão do prédio (a chave girava, girava e nada), ainda assim consegui.

Voltei à top posição do ranking dos melhores netos.

Teria sido minha tia subornada por um dos outros netos (ou todos, em uma ação conjunta), temerosos da minha volta triunfal ao primeiro lugar ? Tudo em vão. Desculpaê !
grafico_netos

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

CD

Ontem chegou o CD que as meninas gravaram. Ficou bem legal.


CD_Coral cd_Coral_Nomes

Só fiquei meio decepcionada com a capa. Sei lá, achei que podia ser algo assim, “mais autoral”:


CD_Coral2

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Homens…

Homens, em geral, têm tara por carros superpoderosos, mulheres esculturais, celulares último tipo, tecnologia high–top-top. Meu marido, no entanto, já tendo a mulher escultural ao seu lado (para que não restem dúvidas, estou falando da minha própria pessoa), tem adoração por televisão. Quanto maior, melhor. Eu tento argumentar que não fica bem uma TV maior do que a sala, que talvez fosse melhor nós nos mudarmos, primeiro, para um apartamento maior, para, depois, comprarmos uma big TV. Meus argumentos nunca são aceitos. Quando casamos, tinhamos uma TV 29 polegadas. Isso há 17 anos. Depois, trocamos por uma 37 polegadas. Há algum tempo atrás, veio uma de 40 polegadas. E, agora, ele quer uma maior ainda.

 


- ‘Amor, se você comprar essa TV, temos que colocar o sofá lá no nosso quarto…’ 
-‘ Nossa, Ká, que idéia ideia boa. Porque não eliminamos o sofá e já assistimos direto da cama ? Humm, desse jeito, talvez dê para comprar uma TV maior ainda, né?’


Quanto mais eu falo, pior fica!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Wish List

Eis que minha irmã, competente como é, conseguiu enganar os gringos lá do consulado e eles estão achando que ela vai só passear lá nos estrangeiros. Nem desconfiam que ela vai virar imigrante ilegal (bricadeirinha, ela está indo fazer um curso pela empresa). Com o visto na mão, vamos ao que interessa: wish list. Irmã querida, segue a listinha do que você vai trazer para mim. Conforme eu for me lembrando de mais itens, vou acrescentando, tá ?


- Maquiagem Mac, Lancome


- Perfumes Paris (YSL), Poison (Dior), Samsara (Guerlain), Daisy (Marc Jacobs)
- Bolsas Louis Vuitton, Prada, Guess
- Óculos de Sol Rayban, Gucci


Só acrescentando que os itens da lista devem ser lidos com E, ao invés de OU. Quaisquer problemas/dúvidas com lógica, favor perguntar. Eu não preciso nem falar que, obviamente, tudo será dado como presente, né ?

De vez em quando

Às vezes, as pessoas olham para mim e perguntam :


- Você cortou o cabelo ? Ficou bom.


- Não, não cortei.


- Nossa, parece tão mais curto!


Dai que eu não quero explicar para a pessoa que o meu cabelo, por vezes, passa por uma transformação puxa-estica, comumente conhecida como escova. Então, se a pessoa  me viu em um dia com o cabelo escovado e, em seguida com o cabelo ruim natural, acha que eu cortei, captaram ? Cabelo escovado=cabelo mais comprido / cabelo ruim natural=cabelo mais curto. E então, diante de todo esse drama, eu decidi que, quando me perguntarem se o meu cabelo foi cortado, eu vou dizer “sim, que bom que você notou!”, de maneira a evitar mal estar de ambas as partes. Só para avisar aos leitores do meu blog, que assim como vocês não perguntam (espero!) para uma mulher barrigudinha se ela está grávida, por favor, não perguntem sobre o meu cabelo. Combinado ? Agradecida!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Simples assim

Hoje eu e minha irmã tomamos um capuccino delícia e fomos buscar as meninas na escola. Elas ficaram super felizes. Na sequência, paramos em uma casa árabe, bem pertinho. Ficamos por ali, fazendo hora, enquanto as meninas comiam e esperávamos meu marido vir do aeroporto, onde voltava do Rio. Quando ele chegou, comemos, rimos, tomamos sorvete e fomos embora. No carro, nos fartamos de chocolate. Uma vez em casa, eu e minha irmã começamos a montar nossa ‘wish list’ de comprinhas para ela trazer ‘dos estrangeiros’, onde vai fazer um curso. E, para completar, meu irmão ligou, só para dizer Oi. Coisas simples, sentimentos também: alegria, satisfação, amor. Por que a gente insiste em complicar ?

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Parafraseando

“(…) Ouvi o Djavan afirmando a mesma coisa que o Chico já disse várias vezes:


‘Minhas músicas não têm nada a ver com a minha vida, não procurem semelhanças, elas não têm nada de autobiográfico’. As minhas, bem ao contrário, são todas autobiográficas. Até as que não são, são.” (Caetano)



Parafraseando: Meus posts são todos autobiográficos. Até os que não são, são.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Melancólica

A escolinha, onde minha irmã estudou do maternal ao jardim, virou um prédio, ainda em construção. A lojinha de discos, onde eu costumava comprar meus LPs e, mais tarde, CDs, já não existe mais. A casa de esfihas, daquelas bem tradicionais, não os fast-food atuais, também fechou. Ali, eu e meu irmão, almoçávamos/jantávamos, às vezes, nos finais de semana. No lugar da escolinha de natação, na qual minha irmã, quase bebê, se recusou a ter aulas, existe um colégio. Hoje precisei ir na faculdade onde me formei, a uma quadra do apartamento onde morei, dos 13 aos 24 anos, quando casei. Embora não houvesse necessidade, fiz questão de passar na rua do ‘nosso’ prédio. Um flashback instantâneo aconteceu: minha irmã nasceu ali, meu primeiro namorado foi de lá, meu aniversário de quinze anos, a primeira chave de casa, meu irmão engolindo a agulha, vários reveillons comemorados com toda a família, minhas primeiras ‘baladas’, a cara pintada ao passar no vestibular, meu irmão no exército, meu futuro marido sendo ‘entrevistado-massacrado’ pelo meu pai, minhas primeiras madrugadas em claro estudando para a faculdade, chuva de arroz, almoço de casamento, primeira comunhão da minha irmã … Lembranças de anos passaram em segundos. Senti uma certa melancolia. Imediatamente lembrei de uma música do Caetano, da época em que ele estava exilado em Londres: A little more blue. O dia cinza de hoje também deve ter contribuído para essa minha sensação.

E esse estado melancólico me levou ao meu pai. Após sua morte, eu ligava para o telefone da casa dele, só para ouvir sua voz, gravada na secretária eletrônica. Eu fazia isso consciente do quão inconsequente era esse meu ato. Mas, eu não queria esquecer o timbre e a entonação de sua voz. Fiz isso por um curto espaço de tempo. E agora, que não tenho mais a gravação para recorrer, não estou bem certa de lembrar exatamente como era o som de sua voz. "But today, but today, but today, i don't know why, I feel a little more blue than then (C.V.)"

Se meu pai fosse vivo, creio que ele seria um leitor assíduo e um eloquente comentarista deste meu blog. Mas, pode ser só impressão.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Gêmeas

Ambas estudam no mesmo colégio, em classes separadas. Ambas tinham que apresentar um trabalho de matemática (frações) para a classe, em dias diferentes. Uma, na quarta, a outra na quinta. Aquela cuja apresentação seria na quarta, começou os preparativos na segunda. Planejou a aula, fez folhas, esquematizou um sorteio e fez ensaios exaustivos de sua aula até o dia da exposição, quando foi para a escola meio insegura, temendo dar ‘um branco’. A outra, cuja apresentação seria na quinta, começou os preparativos na própria quinta. Planejou a aula, fez folhas, esquematizou um sorteio e fez alguns ensaios de sua aula somente no dia da apresentação. E foi para a escola totalmente segura, crente que ia se dar bem. Essas são minhas filhas gêmeas. Mais diferentes, impossível.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Perdida

E agora, vão-se meus brincos. As meninas já começaram a se interessar por eles. A cada dia, posso notar, com um pesar no coração, devo confessar, que as minhas meninas estão se tornando mocinhas, a um passo de se transformarem em mulheres. Já não posso comprar roupas para elas, sem que estejam comigo, na certeza de ter que voltar à loja para trocar as peças. O que eu acho bonitinho, elas já acham meio careta. Aquela blusa tão delicada, vira blusa ‘sem-noção-mãe!’. O vestido rodado, mico total. Enquanto elas começam a descobrir seus jeitos, suas vontades, suas preferências, eu me acho meio perdida. Tenho que aprender a encontrá-las nessa nova fase. Antes eu controlava, agora sou guiada. As músicas, os acessórios, as lojas, as roupas, os sapatos. Para tudo, elas já têm certeza do que querem. Por enquanto. Daqui a dias, o que era certo hoje, já vira tão ‘last season’. É interessante notar o crescimento delas, mas não deixo de me sentir apreensiva. De ter que deixá-las sair de baixo da minha asa protetora. Tenho total consciência de que esse é o curso natural. Mas, eu me sinto como aquelas mães que, ao deixar o filho pela primeira vez na escola, chora.

sábado, 12 de setembro de 2009

9 anos

 

Parabéns, Gabriel !


gabriel_9anos


UPDATE:


Parabens1 kdk_0632 

kdk_0619

kdk_0636

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Set-List

Continuando a vibe mamãe-você-está-totalmente-por-fora-da-hit-parade, as meninas fizeram uma set-list para que eu gravasse um CD para elas. Eu não perguntei aonde elas pretendem ouvir. Sofrer antes da hora ? Melhor não ...

set_list2

E ai eu me lembrei do tempo em que eu passava hooooras gravando minhas fitas (sim, falo de um tempo em que não existiam pendrives, mp3, Cds, internet, luz elétrica, etc.). Eu a-d-o-r-a-v-a ! Nós tínhamos um aparelho de som bem legal, com receiver, toca-discos e tape-deck. E, para não atrapalhar o som ambiente da casa, eu tinha um fone de ouvido enorme, ganho do meu pai, porque ele não fone_ouvido2 queria frustar meus planos de DJ, mas, também, não queria ter que ficar ouvindo às minhas músicas. A ação era totalmente planejada. Eu já deixava as teclas de gravação pressionadas (REC+PLAY ?), juntamente com a tecla PAUSE. Aí, eu ficava ouvindo rádio e, quando começava a tocar uma música que eu queria, rapidamente eu ‘soltava’ a tecla PAUSE e começava a gravar. Ficava a tarde inteira fazendo isso. Eu só praguejava quando, no meio da música, o locutor resolvia falar alguma coisa ! Às vezes, eu gravava as músicas dos meus LPs, também. Formei, com isso, coleções de fitas com set-lists diversos, todas devidamente etiquetadas, que eu ouvia no carro dos meus pais ou no meu super walkman. E tudo caminhava bem, eu e minhas fitas, até que a minha irmã descobriu como era divertido puxar ‘aquela’ fitinha marrom. Ou seja, destruía tudo ! E eu reclamava para a minha mãe, que respondia que a menina era pequena, que não entendia…Sei ! Para mim, ela só fazia aquilo porque entendia muuuito bem.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Já ?

Eu sempre tive a autonomia de, enquanto pessoa-motorista-do-meu-próprio- carro, ouvir MPB, meu estilo preferido, tanto no rádio quanto nos meus CDs. Agora, no entanto, tenho ouvido uma rádio rock da vida, 89 ponto qq coisa, atendendo a pedidos das meninas. Sei lá, estava preparada para que esse tipo de solicitação fosse ocorrer daqui a alguns anos. Já ??? Help !!! Se bem que, podia ser um pouco pior: ‘Mãe, qual tatuagem você prefere que eu faça?’ ou ‘Coloco o piercing no umbigo ou no nariz? Tô com uma dúvida !’.  Para esse tipo de pedido, eu, definitivamente, ainda não estou preparada…

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Hoje de manhã

Eu, normalmente, aconselho as meninas, de acordo com a situação: não falem com estranhos, comportem-se, leiam o enunciado da prova com atenção e, sempre, certifiquem-se que o papai está levando vocês para o destino correto:

- ‘Você não está achando esse caminho diferente ?’, perguntou uma das minhas filhas


-‘É. Tá estranho …’, a outra filha respondeu


-‘Pai, que caminho é esse ?’


-‘Xi ! Era para levar vocês para aula de inglês, né ? Estava indo para o escritório…’, marido respondeu


Nada que uma observação pertinente e um retorno não resolvam …

sábado, 29 de agosto de 2009

Gravando…

Acabei de deixar as meninas no colégio. Estão indo, de limousine, de ônibus fretado, gravar um CD. Deixo de ser an

alista de sistemas para ser empresária-modelo-atriz das minhas filhas-artistas. Autógrafos, só com hora marcada. Entrevistas, só com agendamento by email. Obrigada, aí.
Voltando… De fato, foram gravar um CD em um estúdio profissional em Los Angeles, por fazerem parte do Coral da escola, junto com mais umas 30 crianças, nem de longe tão talentosas quanto elas super afinadas. Quando tiver noite de autógrafos formos obrigados (extensivo a parentes, amigos e leitores do blog) a comprar o CD, aviso.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Porque eu sei

E ontem de manhã, cedinho, marido foi para o Rio


E ontem, à noite, ele dormiu por lá


E a gente não se viu
E hoje, à tardinha, eu ouvi uma música que eu adorei
E hoje, à noitinha, ele voltou


E eu reapaixonei



Porque eu sei que é amor (Titãs – Sérgio Brito/Paulo Miklos)



Porque eu sei que é amor
Eu não peço nada em troca
Porque eu sei que é amor
Eu não peço nenhuma prova

Mesmo que você não esteja aqui
O amor está aqui
Agora
Mesmo que você tenha que partir
O amor não há de ir
Embora

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
E eu peço somente
O que eu puder dar

Porque eu sei que é amor
Sei que cada palavra importa
Porque eu sei que é amor
Sei que só há uma resposta

Mesmo sem porquê eu te trago aqui
O amor está aqui
Comigo
Mesmo sem porquê eu te levo assim
O amor está em mim
Mais vivo

Porque eu sei que é amor

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Parabéns, irmão

Mais um, irmão.
bolo_san Ontem já tivemos uma mini-comemoração adiantada, com direito a parabéns e velinhas. Não todas as 37 de direito, já que o bolo tornou-se pequeno para tantas velas … Parabéns ! Que venham muitos outros tantos aniversários com seu alto astral característico.

sábado, 22 de agosto de 2009

Blog de Bolso

Minha amiga queria que este meu blog virasse livro. Não do tipo que tem editora, que vende em livraria, que aparece na lista dos mais vendidos. Não. Só os posts todos impressos em formato de livrinho para, segundo ela, ler na cama, sob os cobertores, bem quentinha. No entanto, ela já apontou uma dificuldade: os hiperlinks. Sabe quando em um post há algum assunto já abordado em um outro post ? E eu coloco um link direto para ele ? Então, na versão impressa isso seria um pouco mais difícil de se tratar. Mas, ela já está pensando em alguma solução, tipo um índice remissivo de posts. E eu acho engraçado. E eu acho carinhoso. Ela confessa que não lê o blog frequentemente, por falta de tempo. Mas, ela crê, curiosamente, que no formato livro-de-bolso, ela leria. E eu fico me perguntando onde se faria a mágica da transformação do tempo que não há para o tempo que haverá, com a simples modificação do blog online para o blog impresso. Mas, como essa minha amiga é Física, não duvido de nada. Alguém já disse que o tempo é relativo…

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Oi ?

Ontem estávamos assistindo a um filme. O protagonista, um policial, que foi realocado para o setor administrativo da corporação, continua a procura pelos assassinos da sua família, ocorrido a um ano atrás.

 


-“Se eu fosse assassinada, você também não sossegaria enquanto não encontrasse os culpados ?” , perguntei para o marido


-“Pra agradecer ?”, ele respondeu na lata


Fala sério, eu mereço ?

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Praia

kdk_0431

Domingo fomos à praia. Chegamos no Guarujá por volta das 11 da manhã e o tempo estava lindo ! Solzão, céu azul, mar limpinho… Mas, a água estava congelante, para os meus padrões, óbvio, já que as crianças (as meninas, dois dos seus sobrinhos e um amiguinho do sobrinho) nadaram sem reclamações. No meio da tarde fomos almoçar na praia do Perequê, programa que eu a-d-o-r-o, visto que a especialidade de t-o-d-o-s os restaurantes de lá é peixe. Voltamos para casa, tomamos banho e pegamos a estrada: 2,5h de trânsito. Sem comentários.

kdk_0444

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

6 anos !

Hoje, o nosso afilhadinho faz aniversário. Parabéns, Mateus !



mateus

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

No hospital, hoje

(Pode continuar a ler. Não é gripe suina.)


Hoje, eu passei a tarde no hospital, acompanhando minha irmã. Mascarados por todos os lados. Dava até medo. Para não ficarmos out, entramos na moda também…

Eu_Tati_MascaraSintomas: muuuuita dor nas costas que se irradiava para o estômago. Já havia ido, por duas vezes, a um outro hospital, sem sair com diagnóstico definitivo, somente especulações: apendicite, cálculo renal, dor na coluna …Quando falei com ela hoje de manhã, ela continuava com dores. ‘Mas, dói só se aperta?’, perguntei. ‘Não, só quando respira’, respondeu,’Tô sofrendo!’. Pedi, então, para que ela tentasse um outro hospital, para ver se o diagnóstico variava. Ela aceitou minha sugestão e fomos para um hospital perto da minha casa. Eu, enquanto acompanhante, não pude acompanhá-la de fato. Pelas regras, eu não poderia ficar na salinha com ela, esperando pelos resultados dos exames. No entanto, com todo o charme que me é característico, enganei convenci o segurança e fiquei por lá, falando mal dos parentes e amigos tirando foto mascaradas. Embora irmã estivesse com fome, não pude sair de lá porque já havia cartazes de PROCURA-SE, com minha foto, espalhados pelo hospital não quis sair para comprar comida e deixá-la sozinha, de modo que ela passou fome em minha companhia. Cinco horas e trocentos exames depois: Infecção urinária. Irmã, que falta de glamour !

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Viagens

Tenho andado com muita vontade de viajar. Mas não uma saidinha de final de semana para a praia ou para o interior. Viagem mesmo. Com V maiúsculo, máquina fotográfica de um lado, filmadora do outro  e roteiro planejado (sem excursão e sem guias, porque não faz nosso gênero). Tipo quinze dias de férias, em um local que ainda não conhecemos. Desde que as meninas nasceram, nossas viagens diminuiram muito, tendendo a zero. Antes porque eram muito pequenas. E, agora, porque, com a escola, temos que nos planejar para sair na alta temporada, o que torna tudo mais custoso e lotado. Nestas férias, também queríamos ter viajado, mas meio que ficamos com medo do avião/aeroporto, por causa da gripe suína. Fiquei meio frustrada, mas desencanei. Não nos faltará oportunidade, espero. Mas, faz falta. Como demoramos seis anos para ter flhos, então, em todas as oportunidades surgidas, tívessemos dinheiro e uns dias livres, viajávamos. Ou, quando eu viajava a trabalho e teria que ficar fora muitos dias , marido ia ao meu encontro para passarmos, ao menos, o final de semana juntos. Foi assim em Salvador, Floripa, México… Neste último destino, fui a trabalho com previsão (e roupas) para passar uma semana e, no final, acabei ficando por mais de um mês. Aí, percebendo que a ‘uma semana’ estava se tornando infinita, na Páscoa, nos encontramos em Cancun. Eu, vinda da cidade do México e ele, de São Paulo. Cancun é um paraíso e, aliado ao fato de que nós estávamos muito saudosos um do outro, o passeio foi uma delícia. Uma semana foi pouco tempo. Mais um para a nossa galeria das viagens inesquecíveis. Pensando bem, não fizemos nenhuma viagem da qual nos arrependemos. Há sempre as que nos encantam mais, mas todas foram ótimas. E, sempre que posso, costumo falar sobre isso a casais recém-casados ou em vias de. Para que, enquanto não tiverem filhos, coloquem as viagens entre as metas a serem atingidas. Com certeza, o pacote contará com recordações eternas, descobertas a dois, momentos inesquecíveis, acervo cultural … Creio que valha muito a pena.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

O presente

Mais um Dia dos Pais. Como sempre, eu e as meninas nunca sabemos o que dar de presente para o marido. Mas, esse ano, eu, em um momento iluminado, lembrei que ele anda em uma fase suco-viciado. Aprendeu a fazer uns sucos meio estranhos com couve, alface, agrião, cenoura, hortelã, maçã e o que mais houver na geladeira. E adora. Já tentou me envenenar me convencer a experimentar, mas não conseguiu, até agora. Marido fazendo suco clorofila (é essa a cor) é aquela bagunça na cozinha: liquidificador, peneira, jarra, talos, folhas. Daí, resolvemos dar a ele uma centrífuga. Dei uma pesquisada rapidinha na internet e me decidi por uma marca bem tradicional, infelizmente a mais cara do pedaço. Mas, como não queria aparecer com nenhuma centrifuga xing-ling em casa, saí disposta a encarar o prejuízo. Fomos nós três na loja, no sábado à tarde, óbvio. A que eu queria, não tinha mais (não somos só nós que damos centrífuga de presente no Dia dos Pais, ué ?). Ficamos frustradas. Aí o vendedor me mostrou uma outra, bem bonita, com as mesmas funções da que eu queria comprar e não tinha. A marca ?  Desconhecida total, algo do tipo xing-ling master. E eu perguntei se ele tinha certeza que era boa mesmo. E ele respondeu no ato: ‘É da China. Pode confiar. Tem manual com receitas e tudo ! Até eu compraria…’ Ai ! Bom, diante da exiguidade de tempo e com o aval super imparcial do vendedor, resolvi arriscar e comprei. Não sem antes fazer um seguro-extendido por três anos. Just in case… As meninas entregaram o presente na madrugada do domingo, depois que nossos amigos se foram. Maridão adorou ! No domingo de manhã, todo mundo a postos para testar o brinquedo novo. Não é que funcionou ? E não é que temos usado, praticamente, todos os dias ? O único senão é que, para o suco clorofila, razão da compra, ela não funciona muito bem. Sai pouco líquido da folha, diz o marido. Mas, gente, quanto suco pode haver

 

em uma folha de couve ?  Então, a bagunça da cozinha, não diminuiu, não. Talvez

 

 

tenta até aumentado…

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Sem mesa, com pizza

Minha amiguinha, lá do interior, me mandou um email no meio da semana. Contou sobre a sua viagem e perguntou da possibilidade de marcarmos uma reuniãozinha aqui em SP, no sábado. Respondi dizendo que não tinhamos compromisso. Adoraríamos. Ficamos esperando a resposta da terceira componente do trio. Como esperado (ela é high-top-level-quase-dona-da-empresa-onde-trabalha e nunca consegue responder a tempo, quando o faz) , não recebemos nenhum email dela. Well, como não houve mais manifestação da amiga do interior, desencanei (parece que só euzinha mesma adoro a praticidade dos emails). Mas, no sábado, amiga liga e pergunta a que horas e aonde nos reuniríamos. Peguei o celular e liguei para a amiga que não responde aos emails. Ela atendeu e combinamos tudo no ato. Por telefone mesmo (email ? para quê ?). Encontrinho, às 18h, na casa dela, visto que, atualmente, minha casa encontra-se sem mesa na sala de jantar, ou melhor, sem sala de jantar. Beleza. Pouco antes das 18h, liga a anfitriã: ‘Podemos remarcar para as 20h ?’, perguntou. ‘ Sem problemas’, respondi, já ligando para avisar a outra amiga, que, por sua vez, já se encontrava em SP e me disse que estava indo para a minha casa, então, para esperar. ‘OK’. Resolvi simplificar e ligar (já estou até pensando em sugerir que nós três compremos um rádio …) para a ex-anfitriã para informar que a anfitriã seria eu. Todo mundo para minha casa sem-mesa. Alguém se importou em comer pizza com o prato no colo ? Não. Alguém lembrou de reclamar sobre o porquê da nossa troca de emails nunca dar certo ? Não (quer dizer, eu reclamei um pouquinho, só para constar). E, no final, o que importa mesmo é a diversão, não ? Matamos as saudades, vimos fotos da viagem da amiga, ganhamos presentinhos, lembrei de reclamar sobre a não-leitura do meu blog (sem ser pedinte!), bebemos vinho, e, até, pasmem, à meia-noite desejamos ‘Feliz Dia dos Pais’ para os pais presentes, que quase começaram um manifesto pró ‘pai-no-dia-dos-pais-merece-uma-folga-e-só-brinca-com-o-filho-já-tomado-banho-alimentado-e-caso-chore-tem-o-direito-de-devolver-para-a-mãe-sem-sofrer-nenhum-tipo-de-ameaça’. Bastou apenas um triplo olhar em direção a eles e não precisamos nem nos dar ao trabalho de responder. Oi ?  Acharam que a reunião era só com as mulheres ? Nãããooo. É que os maridos apenas acatam o que nós três combinamos. Simples assim. Às vezes, até lembramos de mandar cópia de email para eles. Mas, ultimamente, como tudo tem sido resolvido por telefone, nem isso. Só, gentilmente, como nos é peculiar, informamos a data e o local. O amor é lindo, não ?

  © Blogger template 'Perfection' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP